O pecado imperdoável

Todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem será perdoado, mas quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado. Lucas 12:10

Muitas pessoas tem muita dificuldade quanto a este texto dado que estamos falando de algo muito sério. Seria este o ÚNICO pecado que não tem perdão. Vejo muitos preocupados pois pensam que blasfemaram contra o Espírito Santo em pensamento ou mesmo com palavras e agora estão temerosos de terem perdido sua salvação.

Será que blasfemaram? O que é a blasfêmia contra o Espírito Santo?

A palavra no grego para blasfêmia é blasphemeo que pode significar: falar de modo repreensível, injuriar, insultar, caluniar, blasfemar, um discurso ímpio e repreensivo contra a majestade divina.

Infelizmente muitos estão mais preocupados com o exterior do que com o interior. Ou seja, querem aplicar a lei de forma externa, e não vivê-la em seu coração. Desta maneira, se preocupam mais com o que dizem, do que com o que vivem. Deus quer nosso coração e não nossas palavras apenas.

Neste caso, a blasfêmia provém de uma atitude do coração, que é expressa pelas palavras. Pois a boca fala do que está cheio o coração. Mt 12:34b

A blasfêmia contra o Espírito Santo, não é ter momentos onde pecamos, ou até mesmo quando questionamos a Deus por situações difíceis que vivemos (pois se fosse isso, a maioria dos salmos de lamento seriam blasfêmias, e todo o livro de Jó também). A questão da blasfêmia aqui é quando uma pessoa rejeita de forma ativa e consciente a obra do Espírito Santo em sua vida.

Se você pensa ter blasfemado contra o Espírito Santo e está preocupado com isto, se é salvo ou não, este é o maior sinal de que você não blasfemou. Você pode ter cometido um pecado, porém se há arrependimento em seu coração, zelo por Deus, e desejo de ser salvo, então não houve blasfêmia. A blasfêmia implica em insistência em não se arrepender, e em negar quem Deus é, e principalmente negar a ação do Espírito Santo.

Desta maneira, se há arrependimento em seu coração, se há desejo de ser salvo, se há entrega do seu coração a Deus, então não há nem como blasfemar. Esta atitude é impossível de ser tomada por quem é um verdadeiro cristão.

Que Deus abençoe sua vida!

Fonte: http://colunas.gospelmais.com.br/o-pecado-imperdoavel_3030.html

Texto: Daniel Simoncelos

Quando não se conhece a DEUS

Alguma vez você já se perguntou se houve um tempo em que a imoralidade e a licenciosidade imperassem como em nossos dias? Bom, meditemos hoje na época em que o profeta Oséias viveu. Naquele tempo a adoração da criatura tinha despojado a adoração do Criador, e quando isso acontece, quando o ser humano e o que ele pode fazer se tornam o centro da atenção, então se dá lugar a uma religião de exterioridades.

Nos dias de Oséias, ninguém mais obedecia ao Deus verdadeiro. Prevaleciam a falta de honestidade e a falsidade diante de Deus e dos homens. Eram dias de prosperidade material, mas de pobreza espiritual. Pervertia-se a justiça, oprimia-se os pobres e adulterava-se em nome de Deus, pois se tinha misturado o culto pagão com a adoração ao verdadeiro Deus.

É diante desse quadro que Oséias diz, no capítulo cinco, versículo quatro: “O seu proceder não lhes permite voltar para o seu Deus, porque o espírito da prostituição está no meio deles, e não conhecem ao Senhor”. Veja, a razão é porque “não conhecem ao Senhor”.

Se não conheciam a Deus, como pretendiam servi-Lo? Se não O conheciam, como rendiam culto a Ele? É possível “servir a Deus e dar-Lhe culto” sem conhece-Lo? Bom, a história do povo de Israel nos dias de Oséias nos prova que sim.

Qualquer culto, qualquer igreja, qualquer mensagem, que desvia do Deus verdadeiro os olhos do povo e de alguma forma tenta levar a atenção dos homens à criatura, ao ser humano, ao seu comportamento e às suas consecuções, dá evidência de que o conhecimento de Deus está obscurecido, limitado ou nulo e mais cedo ou mais tarde, esse tipo de religião dá lugar a um cristianismo oco e de fachada.

Quer dizer que não devemos ensinar ao povo como vestir-se, como alimentar-se e como comportar-se? Não. O que estou dizendo é que devemos ensinar ao povo como vestir-se, como alimentar-se e como comportar-se, vivendo uma vida de comunhão diária com Cristo.

Ensinar normas de conduta é apenas ético. Mas o cristianismo que Jesus veio ensinar é mais do que um código moral de ética. Ele veio transformar vidas, criar novas criaturas, que depois de transformadas, sentissem alegria em viver os princípios eternos de Sua santa Lei.

No capítulo seis, verso oito, Oséias chama ao reino do Norte de “bolo não virado”. E aqui Deus usa mais uma vez o profeta para combater a casca da religiosidade. Um bolo não virado só fica assado de um lado e por dentro é massa crua. Deus não aceita isso. Ele quer o bolo cozido por dentro e, naturalmente, dourado por fora. Deus se deleita no bom comportamento de Sua igreja. As boas obras sempre são para louvor de Seu nome. São uma oferenda cheirosa para Ele, mas só quando resultam de uma vida interior de comunhão diária com Cristo.

O Espírito Santo está pronto a reproduzir em nós o caráter de Cristo, mas precisamos permitir que Ele habite em nós cada minuto da vida.

Texto: Alejandro Bullon

Fonte: http://novotempo.com/amiltonmenezes/2012/09/14/quando-nao-se-conhece-a-deus/

Naamã está na área!

Naamã era o tão conhecido comandante do exército do rei da Síria. Um homem bem conceituado na época. Imagino como ele tão orgulhosamente comentava as guerras que venceu mas… Por detrás de tantas honrarias havia um homem leproso. Talvez poucas pessoas sabiam de sua situação, pois as “capas” cobriam muito bem o que havia além delas. Mais aquele mal estava ali, na pele daquele homem. Devia ser desolador para ele, não é?! Acontece assim, muitas vezes atrás de grandes sorrisos e conquistas pode existir um mal. Ninguém sabe que ele existe, mas está ali. Pode ser um orgulho, poder ser magoa e tantas coisas mais. Voltando a Naamã…  A menina que trabalhava na casa dele era, uma menina que fora trazida cativa de Israel, ela sabia que em Israel havia um homem de Deus e tratou de contar a boa notícia…

“Disse ela a sua senhora: Tomara meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria da sua lepra” 2 Reis 5.3

Que coisa boa, a menina se intrometeu na vida do patrão, mas veja, foi por uma causa nobre, foi para dar boas notícias. Quantas pessoas se metem na vida do outro, e as vezes trazem divisão, confusão. A boca do Cristão tem que ser aberta para abençoar..e essa amadinha foi benção!

Adiantando a história que todos conhecem…

Naamã foi até o profeta Eliseu, até sua porta, mas ele só mandou recado, pelo mensageiro assim…

“Então Eliseu mandou o mensageiro, dizendo: Vai, lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será restaurada, e ficarás limpo.” 2 Reis5. 10

Pronto era só isso, e o problema tava resolvido, mas Naamã gostava de complicar, ele queria que Eliseu fizesse sinais na frente dele, ficou se importando com detalhes e a benção que já estava disponível ele nem tava ligando. Depois ele também reclamou da qualidade do Rio que o profeta mandou ele se lavar, ele estava indignado.

Isso te parece comum?Será que não fazemos isso quando recebemos alguma benção?Pense ai…

Prosseguindo… Naamã recebe conselhos de seus oficiais…

“Então se chegaram a eles o seu oficiais e lhe disseram: Meu pai, se te houvesse dito o profeta alguma coisa difícil, acaso não a farias? Quanto mais, já que apenas te disse: Lava-te e ficarás limpo.”2 Reis 5.14.

Mesmo depois de toda recusa de Naamã, em fazer o ”simples” pedido do profeta, os seus oficiais com seus sábios conselhos, fizeram com que ele tomasse a atitude certa!Eles foram cruciais para o final dessa história, pois Naamã foi ao Jordão se lavar e após 7 mergulhos ele estava curado.

Com quem você tem andado? Quem são teus conselheiros?Repare bem as pessoas e os conselhos que tem recebido.

Com a história de Naamã podemos tirar grandes lições para nossa vida… Se liga aí!

 

Texto: Kelly Azevedo

Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal

Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade. (Isaías 5:20).

A partir do momento em que as pessoas deixaram de ter Deus como seu guia foram perdendo gradualmente a noção dos princípios, valores e regras por Ele estabelecidas. Ter Deus como guia não significa perder o interesse pela vida e por tudo o que existe. Deus criou todas as coisas para delas gozarmos. O problema é que dentro daquilo que existe há diversas formas de as utilizar e delas gozar. Os cristãos não são infelizes, bem pelo contrário têm gozo e levar vidas regradas para o seu corpo e espírito, ganhando com esse modo de vida melhores vantagens e longevidade para as suas vidas. Os cristãos são pessoas que vivem felizes. Têm um cântico constante em suas boas, falam com Deus a todo o momento, fazem outras pessoas felizes porque se doam e têm sentimento de solidariedade e de entreajuda. Pelo contrário as pessoas que levam vidas desregradas vão abrindo caminho para a aparição de doenças no corpo e no espírito. É mais salutar levar vidas regradas do que desregradas. A vida desregrada surge no momento em que a pessoa toma consciência de que, por si só, pode conduzir a sua vida e fazer dela o que quiser. Ainda que lenta e progressivamente vai dando espaço a que a desordem se instale por completo. Para essas pessoas não existe diferença entre o não fazer e o fazer mal ou o fazer e não fazer bem. Se no passado as suas consciências as acusavam quando procediam mal, agora não reagem ou reagem com normalidade. Ou seja, o que era bem passa a ser mal e o que era mal deixa de o ser.

Neste estágio, a pessoa não consegue diferenciar uma situação da outra e com a sistematização do uso e abuso o que era, deixa de o ser. Por outras palavras se, por exemplo, furtar era errado, passa a não ser assim. Já não é considerado furto e passa a ser normal e generalizado. Os adeptos da nova era estão a banalizar o nome de Deus, banalizam a obra redentora de Jesus Cristo, incentivam ao aborto, à eutanásia, ao divórcio, aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo, os relacionamentos perversos, à injustiça nos tribunais, que todo o ser humano é deus e que Deus é o ser humano, que cada um pode fazer o que o coração mandar, que Deus sendo amor não se preocupa com os actos pecaminosos, à libertinagem nos filmes, novelas e programas de televisão, enfim, a todo o tipo de situações que levam as pessoas a afastarem-se dos caminhos de Deus, colocando-O ao nível da Sua criação. Do mesmo modo quem aprendeu os princípios cristãos e, pelas circunstâncias da vida os deixaram de observar, corrompe a sua consciência com a banalização desses princípios para agir como se nunca antes tivesse aquele conhecimento. Os valores e princípios que foram e ainda são as bases da sociedade estão em decadência e estão a ser repensados e reformulados pelas alas ditas liberais das sociedades. Os conceitos de família, honestidade, fé, autoridade, vergonha, integridade, amor ao próximo, autoridade, patriotismo, entre outros, estão a cair na banalização e não são tomados na devida conta, o que faz com que se esteja a dar uma inversão dos valores, ou seja, a noção de mal ou bem estão completamente invertidos.

Desde que as pessoas deixaram de seguir os princípios de Deus e se guiaram pelo seu “eu”, pelo seu egocentrismo e orgulho como resultado do pecado, os seus caminhos se tornaram tortuosos. E nesta corrida desenfreada pretendem quebrar com as instituições do “passado” (regras, valores e princípios) para poderem viver, segundo dizem “uma vida plena e livre”. Cada um puxa para o seu lado, opinando do que não sabe, mas que com a insistência acaba por afagar a consciência dos mais resistentes. Dá-se então a troca de valores: o que era mau passa a ser bom e o que era bom passa a ser mau.

Esta é a situação que hoje em dia verificamos. Será que nós os que permanecemos firmes no discernimento entre o bem e o mal estamos errados? Será que não acompanhamos os tempos e a modernidade? Será que nos esquecemos de viver vidas plenas? Onde poderemos buscar respostas para questões como estas?

Vejamos o que diz a Palavra de Deus. Salmos 38:19-22 “Mas os meus inimigos estão vivos e são fortes, e os que sem causa me odeiam se engrandecem. Os que dão mal pelo bem são meus adversários, porque eu sigo o que é bom. Não me desampares, SENHOR; meu Deus, não te alongues de mim. Apressa-te em meu auxílio Senhor, minha salvação”. Sempre existe uma orientação para nós e a Palavra de Deus é a fonte onde podemos buscar a bênção. Digo bênção porque manter-se firme nos princípios de Deus é realmente uma bênção.

Aqui temos um sério aviso: Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade (Isaías 5:20). Pelo que, como a língua de fogo consome o restolho, e a palha se desfaz na chama assim, a raiz deles será como podridão, e a sua flor se esvaecerá como pó; porque rejeitaram a lei do Senhor dos exércitos, e desprezaram a palavra do Santo de Israel (Isaías 5:24).

Então porque isto sucede? Porque procedendo de maneira inversa ao estabelecido pela lei de Deus, o maligno consegue levar para a sua área de influência grande número de pessoas que, não estando avisadas destes perigos, escorregam e caem nas suas malhas e dificilmente conseguem escapar.

Resta que cada leitor tenha o bom senso de saber discernir entre o bem e o mal, não se devendo preocupar em ser chamado antiquado ou fora de moda. O prémio que temos diante de nós justifica qualquer sacrifício. Esse sacrifício é por demais compensador.

Texto: Helder Flávio Gomes de Morais

Fonte: http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?Id=1415

Me contaminei e agora?!

São inúmeras as formas de se contaminar (pecar) agora a consequência será sempre a mesma, uma culpa enorme no peito, e o distanciamento de Deus. Somos seres falhos e pecadores, e tem ainda um ser que a todo custo nos quer ver longe de Papai e de suas bençãos, e não há como vencê-lo se não alimentarmos diariamente nosso espírito, crescendo em graça e conhecimento.

 

Esta palavra de hoje é para quando não estamos tão firmes assim e acabamos por se servir de algum item da bandeja de nosso inimigo, pois bem, Em Mateus 9 a partir do versículo 10 cuja epígrafe é “Jesus come com pecadores”  vemos um homem Santo que escolheu estar no meio dos pecadores. Por que será? Ele conhecida o coração daquele povo e sabia que o remédio pra vida deles era Ele.

 

Nesta situação os super hipócritas dos fariseus ficaram alarmados por Jesus comer com eles: “Por que come o Vosso mestre com publicanos e pecadores?” (Mateus 9.11b).

Jesus claramente responde: “Os sãos não precisam de médico e sim os doentes” (Mateus 9.12.)

 

Você pecou isso é um fato, mas Jesus lhe perdoa, este é outro fato. “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é FIEL e JUSTO para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1João 1.9.).

 

Então não creia na mentira do diabo dizendo que você não tem jeito, que você é sujo ou coisa parecida, pois isso é coisa do enganador. Se você confessar Ele te limpa de tudo que você já pode ter feito um dia, pois o único pecado que Ele não perdoa é a blasfêmia contra o Espírito Santo.

 

Tire agora toda uma bagagem de coisas do passado ou coisas do presente que te atormentam, confesse, se arrependa e se sinta limpo e livre em Nome de JESUS!

 

Texto: Kelly Azevedo

Você anda confiando em quem?!

Por lidar com pessoas, temos que de alguma forma confiar nelas. É claro que sempre haverá pessoas que acreditaremos mais, pois com o passar do tempo nos provaram ser pessoas confiáveis.

Pela clara noção de que todos somos humanos e falíveis, a de ser esperar que uma hora ou outra nos decepcionaremos com alguém. Tal fato acontece muito, quando  confiamos demasiadamente nas pessoas.

Você já depositou a sua total confiança em alguém? Já pensou assim… Fulano pode me ajudar, tenho certeza. Imagino que sim e imagino que se decepcionou  muitas vezes chegando a dizer repetidamente fulano me decepcionou.

 

“… há se meu povo me escutasse…”.

Em Jeremias 17.5 temos…

“Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do SENHOR!”

Nem tenho mais o que dizer, por vezes confiamos em nós mesmos, no dinheiro, nas amizades e DEUS diz apenas CONFIE EM MIM, SOMENTE EM MIM.

“Bendito o homem que confia no SENHOR e cuja esperança é o SENHOR. Porque ele é arvore plantada junto às águas, que estende suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas sua folha fica verde e, no ano da sequidão, não se perturba, nem deixa de dar fruto”.

Jeremias 17.7-8

Ta aí, o recado está entregue. Passe a confiar em DEUS, não em promessas de pessoas, de políticos, ou seja, de quem for, porque só há um digno de total confiança que é o nosso DEUS. N’Ele sim você poderá confiar Plenamente!

 

Texto: Kelly Azevedo