Polícia do Laos prende pastor, por difundir a fé cristã

Um pastor de 53 anos continua atrás das grades, após ser preso pela polícia do Laos, na última quarta-feira (6) sob a acusação de forçar a  conversão das pessoas ao cristianismo, disse um porta-voz da ONG de Assistência aos Direitos Humanos e Liberdade Religiosa no Laos – Human Rights Watch for Lao Religious Freedom (HRWLRF).

A prisão de Asa, identificado apenas por este nome, ocorreu por volta das quatro horas, em sua casa na aldeia Peeyeur , na província Luang Namtha, de acordo com HRWLRF. A polícia então conduziu Asa para a prisão provincial Namtha Luang, cerca de 50 Km de sua aldeia, longe o bastante para impedir visitas de familiares ou amigos, devido ao limitado acesso ao transporte rodoviário.

Se o procedimento legal fosse seguido, disse a HRWLRF, a polícia teria mantido Asa na prisão por três dias, enquanto investigava as acusações contra ele.

Na quinta-feira (7), Khamla, um proeminente líder cristão na província, reuniu-se com a polícia e descobriu que Asa havia sido acusado de converter pessoas a Cristo.

Há, dois anos atrás, a polícia havia forçado Asa  a assinar documentos, concordando que ele pararia de  proclamar a Cristo e, de induzir as pessoas a aceitá-lo. Este ano, porém, muitas pessoas da aldeia Peeyeur, e os moradores vizinhos, tocados pela vida e testemunho de Asa, aceitaram a Cristo.

Os líderes da Igreja dizem que as autoridades locais têm a intenção de eliminar o cristianismo de Luang Namtha, num esforço para proteger a região como patrimônio mundial. Eles usam a prisão de seis cristãos tailandeses, pegos pregando na província, em 24 de março, como exemplo; os seis foram liberados no início de junho, após várias semanas de detenção.

As autoridades de Luang Prabang, uma província vizinha, convocaram dois líderes cristãos e cerca de 80 cristãos da aldeia Hueysell,  em janeiro, e ordenou-lhes que abandonassem sua fé ou seriam expulsos de suas casas. Até o momento as autoridades não colocaram as ameaças em prática.

A Constituição do Laos e outros regulamentos, como um decreto de 2002 sobre prática religiosa (conhecido como Decreto 92), teoricamente, protegem a liberdade de crença e de culto para todas as religiões, mas funcionários de aldeias, distritos e províncias, muitas vezes desrespeitam essas leis e mesmo assim ficam impunes.

Fonte: Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/06/1599544/

Tradução: Marcelo Peixoto

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s