Pastor é preso por distribuir literatura cristã na Índia

 

 

 

Um pastor indiano foi detido por três dias porque agressores o acusaram de converter hindus ao cristianismo. Segundo os rebeldes, o cristão “criticava a religião hindu e suas práticas religiosas, e também os forçava a beber sangue de vaca”. O ataque ocorreu após 25 hindus radicais terem descoberto que o líder religioso estava distribuindo literatura cristã

 

 

 

O pastor John Pargy, de 26 anos, da Igreja Cristã em Birmawal, Ratlam, prega o evangelho de Jesus Cristo na Índia. Ele é casado com a jovem Neelu, de 23 anos, e tem dois filhos, um de dois, outro de cinco anos.

Na última sexta-feira (7), Pargy estava distribuindo literatura cristã na aldeia de Birmawal quando cerca de 25 ativistas dos grupos radicais hindus RSS e Bajranga Dal o atacaram. Agrediram-no e o acusaram de converter praticantes do hindu ao cristianismo.

Embora eles estivessem determinados a tirar sua vida, alguma coisa os fez mudar de decisão e eles o levaram à delegacia de polícia de Birmawal. Prestaram reclamações de que ele estava criticando a religião hindu e as práticas religiosas que a envolvem, e também forçava indivíduos a beberem  sangue de vaca – animal considerado sagrado na Índia.

De Birmawal, ele foi transferido para a delegacia de Ratlam, onde foi acusado sob a legislação da Índia de perturbar a paz pública; enviado à prisão, foi liberto sob fiança, após três dias.

 

Fonte: Christian Persecution News / Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/09/1797600/
Tradução: Ana Luíza Vastag

No Vietnã, cristão de 64 anos permanece preso

 

 

 

O líder cristão Nguyen Van Ly passou 17 anos na prisão, desde 1970, por falar sobre os direitos humanos e as questões de liberdade religiosa, no Vietnã. Aos 64 anos, sua saúde foi severamente prejudicada pelo tempo em que esteve na prisão. Grupos de direitos humanos afirmam que ele precisa de tratamento médico. O Vietnã continua a ser um grande violador da liberdade religiosa, onde os cristãos são presos por causa de sua fé

 

 

 

A Anistia Internacional apela aos cristãos de todo o mundo para pressionar o governo do Vietnã a libertar o líder cristão, ativista de direitos humanos, Nguyen Van Ly.

Ly, de 64 anos, foi condenado a oito anos de prisão por suas iniciativas em prol da liberdade religiosa e por sua crítica, de longa data, sobre as políticas de direitos humanos do governo vietnamita.

Em março de 2010, ele foi temporariamente autorizado a sair da prisão para um tratamento médico, depois de ter sofrido um derrame e diagnosticado com um tumor cerebral.

No entanto, em julho de 2011, ele foi levado de volta à prisão Ba Saoi, acusado de incitar a dissidência (ato contrário ao governo estabelecido). Informações oficiais indicam que Ly está bem de saúde, mas, como resultado do derrame, está parcialmente paralisado.

Melina Dayne, membro da Anistia Internacional, em Edmonton, está trabalhando no caso de Ly há 18 meses. Além de incentivar as pessoas a enviarem e-mails e cartas para o governo vietnamita, ela distribui panfletos sobre a história do cristão. “Infelizmente, ele ainda está na prisão”, lamentou.

Dayne, enfermeira que conviveu por anos com Ly, na igreja, expressa seu desejo de que os cristãos e vizinhos tomem alguma atitude em favor de Nguyen Van Ly. “Nós temos a responsabilidade de falar por aqueles que não têm voz”, disse ela.

Até seu retorno à prisão, depois do tratamento médico, o líder religioso Ly estava vivendo sob vigilância em uma casa para sacerdotes aposentados, no centro do Vietnã.

“Autoridades afirmaram que o cristão foi devolvido à prisão porque ele havia distribuído documentos críticos às políticas de governo sobre a liberdade religiosa e os direitos humanos, o que incitou diversas manifestações”, afirma um comunicado da Anistia Internacional.

John Tackaberry, porta-voz do escritório nacional da Anistia Internacional, em Ottawa, disse: “Ly passou cerca de 17 anos na prisão, desde 1970, por conta de suas apelos por respeito aos direitos humanos e liberdade religiosa de expressão. Mas, nunca esteve envolvido em manifestações marcadas pelo uso da violência”.

“A liberdade de expressão, associações ou reuniões são severamente restringidas no Vietnã”, explicou Tackaberry.

“Rotineiramente, no Vietnã, autoridades prendem ativistas pacíficos, críticos das políticas de governo e aqueles que defendem maiores liberdades; o cristão Ly se encaixa nessa categoria e eles o prenderam por esse motivo”, contou.

Tackaberry falou que, assim como Ly, dezenas de prisioneiros de consciência (detidos por conta de sua crença política, religiosa ou outras conscientemente defendidas), incluindo blogueiros, advogados, escritores, sindicalistas, empresários e simpatizantes de grupos de oposição, cristãos e demais representantes de minoria religiosa, estão condenados a longas penas de prisão, nos termos da legislação que criminaliza a dissidência pacífica.

Por isso, a Anistia tem incentivado a pressão sobre as autoridades vietnamitas para libertar o cristão imediata e incondicionalmente.

“Convoquem-os a revelar onde Ly está, e permitir-lhe o acesso imediato à sua família, assim como um advogado de sua escolha”, orientou o comunicado oficial de imprensa da Anistia. “Peça a eles para que Ly tenha acesso completo a qualquer atenção médica que ele possa necessitar”.

Vietnã é o 19º país que mais persegue os cristãos no mundo.

 

Fonte: International Christian Concern / Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/09/1786414/
Tradução: Ana Luíza Vastag

Urgente: Pastor Yousef Nadarkhani é solto da prisão!

 

 

 

Após permanecer na prisão por quase três anos, sob a ameaça de ser executado por causa de sua fé, o Pastor Yousef Nadarkhani foi liberto da prisão e inocentado da acusação de apostasia

 

 

 

Ontem o pastor Yousef foi convocado a se apresentar no tribunal. Sua audiência durou seis horas, mas ao final, ele pôde voltar para sua casa e sua família.

Algumas das fontes próximas ao caso relatam que o tribunal o inocentou das acusações de apostasia (as quais poderiam levá-lo à execução), mas foi considerado culpado na acusação de evangelizar muçulmanos e sentenciado a três anos de prisão por isso. Como ele já estava na prisão durante esse período, ser ser julgado, o tribunal considerou que sua sentença já havia sido cumprida.

Louvamos a Deus pela libertação de Yousef Nadarkhani e agradecemos a você, querido irmão em Cristo, que sofreu junto com essa parte do Corpo que estava sendo afligida.

Vamos orar pela readaptação de Yousef e sua família e por sua proteção. Que Deus seja honrado através do testemunho e vida deste cristão.

Bíblias são vendidas ilegalmente em camelôs no Irã

 

 

No Irã, onde a Bíblia é considerada um livro ilegal sendo proibida sua distribuição e uso, exemplares podem ser encontrados em camelôs da rua Naser-Khosro, uma das mais antigas e conhecidas de Teerã.

A rua é connhecida em todo o país por comercializar medicamentos ilegais a preços mais baratos do que os encontrados em farmácias convencionais. Além da Bíblia, livros raros podem ser encontrados entre os ambulantes.

Segundo o Mohabat News, o livro chamado “Versos Satânicos”, cujo autor, Salman Rushdie, foi acusado de apostasia pelo aiatolá Khomeini, sendo proibida sua impressão e distribuição, é vendido livremente em algumas lojas de livros raros.

Os muçulmanos acreditam que Rushdie profanou o Alcorão e o Islã em sua obra. O Aiatolá Khomeini, emitiu uma ordem em 1989 pedindo aos muçulmanos que o matassem onde quer que ele se encontre.

No país persa, existe uma escassez de Biblias na língua persa ou farsi, falada no local.

O ministro da Cultura e Orientação Islâmica já anunciou que vai cuidar da dsitribuição de livros ilegais. Também o comandante da polícia iraniana Esmaeil Ahamdi Moqadam, disse que as forças policiais vão se dedicar à repressão dos vendedores de livros ilegais.

 

Por Jussara Teixeira

Fonte: Gospel + http://noticias.gospelmais.com.br/biblias-sao-vendidas-ilegalmente-camelos-ira-42615.html

O apoio através do amor significa tudo

 

 

 

Radicais do Boko Haram lutam para impor a lei islâmica (sharia) em todo o país e perseguem a população cristã, sendo responsáveis por diversos atentados contra igrejas nos últimos meses, elevando a tensão entre os membros de ambas as crenças religiosas. No início de agosto, a Portas Abertas noticiou um ataque à congragação Deeper Life Bible, que deixou ao menos 19 mortos. Leia depoimentos do pastor e demais membros da igreja

 

 

 

Quando, em 6 de agosto, homens armados, supostamente, membros do Boko Haram, atacaram adoradores da igreja Deeper Life Bible, o medo e a incerteza passou a fazer parte da vida dos cristãos locais (Leia mais em Ataque a igreja na Nigéria deixa ao menos 19 mortos). A realidade inquietante que muitos nigerianos do Norte têm provado, desde que os atentados às igrejas começaram, tem estado cada vez mais presente. Ao menos dezenove irmãos foram mortos e mais de vinte pessoas ficaram feridas somente nesse último ato de violência.  Circulam rumores de que os radicais estão planejando atacar novamente, visando mais igrejas e casas de praticantes do cristianismo.

Logo após o incidente, a Portas Abertas visitou a Igreja em Okene. Lá, descobriu-se a congregação praticamente deserta, já que a maioria dos cristãos fugiu da cidade, temerosos da violência.

Vigiando a cama de hospital de sua esposa, o pastor Omeiza Philip teve de se esforçar para falar sobre os eventos fatais que vivenciou naquele dia. Sendo o líder da igreja Deeper Life Bible, Phillip conduziu os processos que se seguiram ao ataque. Sua própria esposa foi baleada duas vezes; ele conseguiu escapar das balas disparadas aleatoriamente por toda a congregação.

“Foi um dia terrível para nós. Por volta das 19h30, estávamos apenas começando nossos estudos bíblicos, por televisão via satélite, com nosso supervisor geral, o pastor Williams Kumuyi, quando as luzes se apagaram. Primeiro, pensei que a gasolina do gerador tinha se esgotado”, contou.

E continuou, “quando me levantei para acalmar todo mundo, eu ouvi o primeiro tiro. Os próximos momentos foram ensurdecedores; aconteceram explosões dentro da igreja. Acuado, no escuro, eu me lembro de ter visto o fogo terrível de armas que atiravam de todas as direções. Um caos extremo se instalou. Meus irmãos e irmãs choravam muito, tenho essa cena muito nítida em minha mente até hoje”.

Mesmo ferido, o pastor Phillip arrastou-se para fora da igreja no intuito de pedir ajuda. Segundo ele, o tiroteio durou cerca de 15 minutos; ao fim, os atacantes foram embora correndo. Em seus depoimentos, disse que a visão dos corpos espalhados pelo chão o atormentou muito. Saiu pela rua gritando, desnorteado, preocupado com os gemidos dos feridos; tudo isso foi intenso demais para o seu coração compreender. Mais de 22 feridos foram levados para diferentes hospitais. As pessoas que ficaram ilesas  de ferimentos, foram tratadas por trauma grave.

Parceiros da Portas Abertas visitaram todas as vítimas no hospital e também ofereceram apoio monetário. Um tempo precioso foi gasto em oração e intercessão por cada paciente. A atmosfera geral era, inicialmente, bastante desafiadora; mas, a preocupação honesta pelas vidas que foram atacadas, colocou sorrisos de admiração em muitos rostos sofridos.

“A Portas Abertas foi o único ministério que veio à nossa ajuda”, disse o pastor Phillip. “Somos eternamente gratos por isso. Agradecemos ao Senhor por tudo o que Ele está fazendo através desses irmãos”.

O pastor Dere, que também acompanhou a ida aos hospitais, comentou: “É inacreditável que pessoas, a quem nunca vimos ou ouvimos falar antes, estejam conosco em tempo de necessidade tão extrema. O Corpo de Cristo é maravilhoso, estamos orgulhosos de fazer parte desse gesto tão nobre da Portas Abertas “.

“Com esse apoio, estamos realmente mais encorajados a prosseguir na fé. O Senhor vai expandir o território do ministério Portas Abertas”, acrescentou o pastor Eli.

Foram 650 km até Okene, sabendo que o risco de retaliações é alto. Contudo, as palavras da irmã Folake fez da visita uma experiência inspiradora e enriquecedora. “Não diga que o suporte é pequeno. O apoio através do amor significa tudo. Nós amamos todos vocês, e é a nossa oração que o bom Deus abençoe a Portas Abertas”.

Pedidos de oração
• Ore por todas as vítimas e famílias que perderam entes queridos nos incidentes trágicos que aconteceram recente e anteriormente.
• Peça a Deus pela proteção dos cristãos que vivem nessas regiões instáveis.
• Clame por orientação e intervenção do Senhor; por sabedoria divina para cada pastor e membro da Igreja, para que eles consigam lidar com o trauma.

 

FontePortas:  Abertas Internacional / Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/09/1774959/

Tradução: Ana Luíza Vastag

Ore pelo julgamento de Yousef Nadarkhani, preso no Irã

 

 

 

Detido desde 2009, o caso do pastor Nadarkhani ganhou repercussão nacional e internacional por parte de ativistas dos Direitos Humanos, jornalistas interessados em divulgar a polêmica sentença de morte por blasfêmia, pessoas comuns que se comoveram com a agonia da família. Agora, há dois dias do novo julgamento de Yousef, é a hora dos cristãos também se apresentarem como militantes dessa luta, em oração constante pela vida de um irmão que sofre por amor a Deus. Intercessores de todo o mundo, uni-vos!

 

 

 

Em dois dias, mais precisamente no dia 8 de setembro, o pastor Yousef Nadarkhani deve se apresentar ao tribunal novamente, desta vez para enfrentar novas acusações que podem estar relacionadas a crimes contra a segurança nacional.

Desde que foi condenado à morte por apostasia, em 2010, o Pastor Nadarkhani já completou mais de mil dias na prisão. Ele já foi julgado pela corte diversas vezes, o que lhe deu a oportunidade de renegar sua fé para que a sentença de morte fosse suspensa. Todas as chances que teve de negar Jesus foram dispensadas; apesar de todas as dificuldades Yousef permaneceu firme, na certeza de sua crença.

A Christian Solidary Worldwide (CSW, sigla em inglês), promoveu uma campanha em favor do cristão; a pressão internacional sobre o caso vinda, inclusive, de entidades e organizações seculares tem, até então, ajudado a adiar sua execução. Muitas outras ações e protestos foram realizados ao redor do mundo. Yousef, assim como qualquer outro indivíduo brasileiro comum, é um homem, pai de família, que decidiu servir ao Senhor. A diferença, além das localidades distintas (Irã e Brasil), são as consequências que se seguiram para um e para outro.

Recentemente, autoridades iranianas convocaram-no a mais um julgamento. As acusações que o pastor deve enfrentar ainda não foram liberadas, mas há grandes temores de que ele possa ser apontado como o responsável por crimes contra a segurança nacional ou mesmo blasfêmia. Segundo fontes locais, os juízes teriam recebido instruções para forjar novas acusações contra Nadarkhani, a fim de tornar a sua sentença mais aceitável.

Informações da Agência de Notícias Mohabat revelam que a situação de Yousef pode evoluir para um estágio ainda mais preocupante. De acordo com relatórios emitidos na última sexta-feira (31), o novo Código Penal do Irã afirma que qualquer indivíduo que cometer um crime de segurança nacional ou internacional pode ser acusado por “espalhar corrupção sobre a terra” e, por isso, ser condenado à pena de morte. Por essa razão, o pastor Yousef Nadarkhani  necessita tanto de orações intercessoras pelo dia de seu julgamento e decisão a ser tomada.

Cerca de 30 pessoas já foram executadas sob o novo Código por, supostamente, manter ligações com grupos armados de oposição e assim, incitar a “inimizade contra Alá”.

Condenado à morte em 2010
O Pastor Yousef Nadarkhani está na prisão há cerca de 1060 dias, enfrentando a sentença de morte por apostasia. Originalmente, ele foi preso em sua casa, na cidade de Rasht, em 2009, por ter questionado o monopólio muçulmano de instrução religiosa para as crianças. Ele foi condenado à morte em 2010. Seu caso foi duas vezes referido ao líder supremo do Irã, que ainda não emitiu uma decisão final.

 

Fonte: CSW /Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/09/1772935/

Tradução: Ana Luíza Vastag

25 cristãos são presos em Asmara

 

 

 

Aqui no Brasil é comum a prática de cultos de ações de graças ao Senhor por alguma benção recebida. Deus se agrada quando somos gratos a Ele e isso é uma característica aplicada não só para os que vivem aqui, mas para todos os cristãos, ao redor do mundo. Na Eritreia, porém, irmãos em Cristo não podem se reunir em igrejas, quem dirá participar de confraternizações. Os jovens que ousaram se encontrar em uma casa particular para adorar a Deus, no último domingo, foram considerados criminosos e colocados atrás das grades

 

 

 

No início de agosto, a Portas Abertas noticiou a prisão de 17 jovens cristãos na cidade de Keren, na Eritreia (Leia em Jovens cristãos são presos e ridicularizados na Eritreia). Atualizações do caso já afirmaram que, na época, 25 jovens foram retidos, oito a mais do número constatado anteriormente. Agora, em 31 de agosto, na capital Asmara, agentes de segurança prenderam outro grupo, também de 25 estudantes cristãos, nove são mulheres. Tudo aconteceu depois que a casa onde eles estavam reunidos, foi revistada.

Os jovens recentemente completaram sua 25ª sessão do serviço militar, por tempo indeterminado, e tinham acabado de retornar para casa do Centro de Formação Militar de Sawa. Eles concordaram em se reunir para uma reunião de ação de graças ao Senhor por trazê-los com segurança de volta para casa. Cada membro do grupo pertence a diferentes igrejas que, desde maio de 2002, estão proibidas de exercer qualquer atividade religiosa (Entenda melhor em Eritreia, A Igreja e a Perseguição Religiosa).

Fontes indicaram que os presos estão na Delegacia de Polícia nº 5, em Asmara. Um líder religioso, pastor e fundador da Igreja Kale-Hiwet, Oqbamichel Teklehaymanot, está retido nessa mesma delegacia há mais de sete anos. Apesar desse caso em específico, normalmente, os presos são mantidos lá por um curto período de tempo e, em seguida, são transferidos. Portanto, estima-se que os 25 cristãos sejam, em breve, movidos para outro local.

Pedidos de oração

  • Ore pela proteção de Deus sobre esses jovens cristãos que foram presos, especialmente sobre as mulheres.
  • Continue a interceder por todos os cristãos presos na Eritreia e os demais irmãos que vivem sob o contexto da perseguição religiosa no país.

 

Fonte: Portas Abertas Internacional / http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/09/1757502/

Tradução: Ana Luíza Vastag

Adolescente acusada de blasfêmia no Paquistão não pode ir para casa

 

 

 

Detida no dia 17 desse mês, acusada de profanar o Alcorão, Rimsha tem cerca de 14 anos e é portadora de retardamento mental, conforme constatado por médicos oficiais. Muçulmanos exigiram a prisão da menina sob ordem da lei da blasfêmia que há anos é usada contra minorias religiosas no Paquistão

 

 

 

“Rimsha Masih está muito próxima de ser inocentada da acusação de blasfêmia, mas nunca será capaz de voltar para casa”, diz o advogado da menina. Tahir Naveed Chaudhry (foto), assumiu a defesa da jovem cristã cujo caso repercutiu em debate internacional sobre a famosa lei da blasfêmia no Paquistão.

O especialista havia se declarado confiante de que Rimsha seria libertada sob fiança, ainda esta semana. Porém, a audiência que discutiu o caso nessa quinta-feira (30), durou apenas “alguns minutos”, conforme informado por Shamim Masih, um correspondente da ANS Paquistão e ativista dos direitos humanos; e foi adiada para o dia primeiro de setembro, sem uma decisão final.

Naveed disse  à Portas Abertas que “uma junta médica atestou que ela tem 14 anos, embora seu registro na igreja revele que ela tem cerca de 11”. De acordo com a sétima sessão da Justiça Juvenil do Paquistão, Rimsha não é uma adulta e, portanto, seu caso deve ser transferido para um tribunal juvenil. “Ela ainda não tem maturidade nem para entender o conceito de blasfêmia”, argumentou o advogado.

“O relatório médico também apoiou nossa afirmação de que sua idade mental não é compatível com sua idade física”, declarou Naveed. “Ambas as descobertas oficiais vão nos ajudar a provar que as acusações contra Rimsha têm sido erroneamente aplicadas e que ela deveria ser posta em liberdade sob fiança imediatamente”, concluiu.

Embora o advogado tenha dito que tem esperanças de que Rimsha logo poderá ver sua família novamente, Naveed disse que é igualmente certo que eles deverão enfrentar muita perseguição.

“Assim como todos os outros acusados de profanar o Islã, Rimsha e sua família não poderão retornar à sua casa, pois isso pode colocar suas vidas em risco”, disse ele.

O pai da menina chegou até a apelar ao presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, pelo perdão a Rimsha. Em depoimento ao The Telegraph, ele disse ainda: “Somos uma família cristã, respeitamos os direitos religiosos dos outros. Nós simplesmente desejamos a segurança de nossa filha e nossa comunidade e gostaríamos que isso nunca tivesse acontecido”.

Uma fonte do governo disse à Portas Abertas que agências de inteligência haviam advertido as autoridades que a permissão de libertar Rimsha, nesta fase, poderia aumentar a tensão religiosa local. “As agências têm aconselhado o governo a se opor à fiança de Rimsha e mantê-la sob custódia até que o assunto esfrie”, disse a fonte.

De acordo com website Dawn (http://dawn.com), “blasfêmia é um assunto extremamente sensível na nação de 180 milhões de pessoas, em que 97 por cento da população é muçulmana, e os condenados por difamar o Islã ou profanar o Alcorão podem enfrentar prisão perpétua ou mesmo pena de morte”.

A reportagem acrescentou ainda: “Ativistas de direitos humanos afirmam que essas leis são, muitas vezes, utilizadas para resolver vinganças pessoais; no ano passado, dois líderes políticos foram assassinados, aparentemente por falar contra a legislação.”

A Associação Cristã Britânico-Paquistanesa está organizando uma série de protestos por todo o Reino Unido contra este e outros casos de blasfêmia no Paquistão.

Pedidos de oração
1) Peça ao Senhor para que o advogado de Rimsha consiga a sua libertação.
2) Ore pedindo por paz na região, para que os conflitos religiosos sejam amenizados.
3) Clame pela segurança da família de Rimsha e por todos os cristãos que vivem no Paquistão, sob contexto de perseguição, por causa de sua fé.
4) Interceda pelos cristãos presos devido a lei da blasfêmia.

 

Fonte: Portas Abertas Internacional e Assist News / Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/08/1697444/

Tradução: Ana Luíza Vastag

Cristãos são atacados em Kanyakumari, Índia

 

 

 
Membro da Igreja do Sul da Índia, em Nadaikavu, o cristão Gnanamuthu e seu filho foram atacados em sua casa, durante uma reunião de oração. Não muito longe dali, Edwin Raj, no intuito de defender o comércio de seu pai dos mesmos ativistas que atacaram os cristãos, foi morto pela multidão enlouquecida

 

 

 

No dia 26 de agosto, às 19h, estava agendado um encontro de oração na casa do irmão Gnanamuthu, em Sasthancode, no distrito de Kanyakumari, Índia.  Quinze minutos antes do horário marcado, o pastor da igreja local, juntamente com outros 15 membros de sua congregação, se dirigiu até a residência. Os veículos foram estacionados na rua, em frente à casa. Às sete horas da noite, teve início a reunião.

Poucos minutos depois, ativistas enfurecidos, do grupo nacionalista hindu de extrema direita Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), chegaram ao local e, de imediato, quebraram os vidros dos carros. Foi quando, Gnanamuthu  e seu filho, Johnson, saíram de casa na tentativa de impedir a violência da multidão contra os irmãos que ali se encontravam.

Ambos, pai e filho, foram terrivelmente agredidos. Um dos manifestantes quebrou um cabo de madeira na cabeça de Gnanamuthu. Ao serem encaminhados ao hospital local, o caso foi relatado à Delegacia de Polícia de Nithiravilai.

Enquanto isso, outros 15 militantes do RSS invadiram a cidade Nadaikavu e quebraram as vitrines da loja do Sr.Jeyaraj. Edwin Raj, de 29 anos, filho de Jeyaraj, saiu do comércio a fim de interromper o ataque, mas a multidão avançou brutalmente contra ele.  Edwin Raj não suportou e morreu a caminho da faculdade de medicina de Thiruvananthapuram.

A polícia registrou um boletim de ocorrência contra o Sr. Dharmaraj, presidente do BJP (Bharatiya Janata Party), Partido do Povo Indiano, e seis outros. Na Índia, os conflitos e tensões aumentam, apesar de afirmar-se que mais de mil policiais têm guardado a área para evitar confrontos religiosos. Ore pela segurança dos cristãos que vivem nessa região.

Os países da Ásia Central sofrem severa restrição para publicar livros religiosos. Por isso, nas livrarias da região não se encontra um único livro cristão. A Portas Abertas supre essa necessidade da Igreja na Ásia Central enviando-lhe livros sobre vida cristã e espiritualidade. Saiba aqui como participar!

 

Fonte: Persecution Update India / Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/08/1685791/
Tradução: Ana Luíza Vastag

Em plena guerra civil, Igrejas e líderes mantêm-se fiéis na Síria

 

 

 

Uma fonte da Portas Abertas, na Síria, narrou os recentes acontecimentos no país e como estão sobrevivendo os cristãos que permanecem na região. Atualizações dão conta de que a situação das igrejas sírias não é fácil, mas, apesar do cenário de violência e tensão, irmãos na fé têm permanecido fortes e unidos

 

 

 

No final de 2010, teve início o que ficou conhecido no mundo todo como “Primavera Árabe”. Diversas revoltas populares em países como Tunísia, Egito, Líbia e Iêmen levaram a geopolítica mundial à outra ordem. As praças das cidades foram tomadas por pessoas comuns, sedentas por uma mudança radical no governo. Ditadores cruéis, que estavam, há anos, no poder, foram depostos; muitos civis foram mortos e feridos; a identidade das nações que compõem o leque das revoluções foi repensada.

Essa é a atual situação da Síria. Rebeldes reivindicam contra o presidente Bashar al-Assad, que está há 11 anos no poder.  O número mais recente divulgado pelo escritório de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) revela que, desde o início das revoltas, mais de cinco mil pessoas morreram em conflitos de repressão política no país.

Situação dos cristãos
“A situação na Síria está piorando. Os cristãos que conseguem um lugar de refúgio estão abandonando o país; mas, diferentemente dos anos que sucederam a queda de Saddam Hussein no Iraque, quando milhares de cristãos fugiram, os países vizinhos fecharam suas fronteiras para os sírios”, contou uma das fontes da Portas Abertas na Síria (Saiba mais em Violência, na Síria, afeta a vida dos Cristãos).

Em meio a tudo isso, a Portas Abertas tem trabalhado junto às igrejas locais. “Nós continuamos, por exemplo, nosso apoio a uma operação de ajuda aos refugiados das cidades mais afetadas”, disse um porta-voz da instituição. “Muitos estão na cidade e ao redor de Damasco, por isso ainda é muito fácil ir até lá e ajudá-los. Assim, o trabalho de assistência que participamos pode ser executado como previsto”, declarou.

Para os cristãos sírios que desejam fugir da violência, não há muitas possibilidades. Eles procuram nações onde há certa liberdade de religião; porém, a Jordânia, por exemplo, já fechou suas fronteiras. “Somente no Líbano ainda há uma saída. Quem tem o dinheiro e a oportunidade de deixar sua casa, está saindo, especialmente de Aleppo. Disseram-me que há rumores de que o número de cristãos em território sírio caiu consideravelmente”, completou o porta-voz da Portas Abertas.

Evidentemente que, devido à atual situação de guerra civil no país, é difícil verificar os números. A população da Síria é de, aproximadamente 22,5 milhões. Segundo dados da Portas Abertas, acredita-se que o número de cristãos em 2011 era de, pelo menos, 1,6 milhões. “Nós não acreditamos que milhares de cristãos deixaram o país”, disse o porta-voz, em resposta aos recentes rumores. “Muitos permanecem porque não podem ir a qualquer lugar. Só os ricos conseguem ir ao Líbano. Entre as pessoas deslocadas internamente, há um número de cristãos, mas que certamente não somam milhares”, afirmou.

De acordo com uma fonte síria, os líderes cristãos ainda estão conseguindo “manter-se firmes e em pé”. “Os pastores e líderes querem ficar no país e incentivar suas congregações”, acrescentou. Alguns deles foram avisados por parentes que deveriam sair; “mas eles estão se recusando por preferir ajudar os outros”, disse.

“Nossos contatos estão ainda no mesmo lugar”, afirmou o porta-voz da Portas Abertas. “Mas”, respondeu o sírio “as coisas podem mudar. Cidadãos disseram-me que estão sofrendo com a falta de gasolina e combustível e, muitas vezes, não tem eletricidade em Aleppo e Damasco, por dias, assim como em muitas outras áreas”. Os combates têm chegado perto dos moradores da capital Damasco. “Recentemente tem havido problemas na área cristã de Bab Toma, no antigo centro da cidade. Alguns combatentes da oposição esconderam suas armas nas vielas do bairro. “Assim, a tensão é sentida em toda parte”, relatou.

Novidades em campo
Ontem (23), a agência de notícias AFP informou que, após a madrugada de terça para quarta-feira, marcada por conflitos armados, o exército conseguiu recuperar o controle dos bairros cristãos de Aleppo, que foram tomados por rebeldes sírios. Os insurgentes foram expulsos. Segundo um registro provisório do Observatório Sírio de Direitos Humanos, OSDH, nesta quinta (23), 111 pessoas morreram em todo o país (71 civis, 31 soldados e nove rebeldes).

A boa notícia é que, mesmo em guerra civil, as igrejas estão chegando aos amedrontados e feridos, servindo fielmente. A mensagem do evangelho está sendo divulgada e as pessoas estão mais receptivas. “Membros das Igrejas fazem muitas visitas domiciliares, dão apoio médico, distribuem alimentos, e às vezes ajudam no pagamento do aluguel. Muitos refugiados deixaram tudo para trás e se envergonham da dor e do sofrimento que passam”, disse o porta-voz da Portas Abertas.

“Apesar da situação delicada do país, nós conseguimos dar continuidade em nosso trabalho com as igrejas na Síria”, falou o porta-voz. “Nós apoiamos igrejas em acampamentos de verão para crianças e, ajudamos com seus programas de discipulado. Mas também auxiliamos várias igrejas na distribuição de comida e artigos de primeira necessidade”, finalizou (Leia Igreja síria permanece firme em meio à crise)

Pedidos de oração:

  • Ore por paz na Síria.
  • Peça ao Senhor para que a Igreja permaneça fortalecida, mesmo em contexto de guerra civil.
  • Interceda por líderes cristãos que saibam reagir diante da situação em que estão vivendo.
  • Clame a Deus para que o mal seja revertido em bem, para que, pela glória do Seu nome, a igreja possa receber graça para continuar de pé.

*Por motivos de segurança, os contatos citados na notícia não podem ser identificados pelo nome.

Conheça mais sobre a Síria, 36º país na classificação de nações onde há mais perseguição aos cristãos.

 

Fonte: Portas Abertas Internacional / Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/08/1680167/
Tradução: Ana Luíza Vastag

Cristãos e opositores do governo egípcio são crucificados

 

 

 

Desde junho desse ano, o Egito vive uma situação contraditória: após a vitória popular que derrubou o presidente ditador Hosni Mubarak do poder, o representante da Irmandade Muçulmana, Muhammad Morsi, se tornou líder do país. Com um islâmico à frente do governo, as perseguições contra os cristãos intensificaram

 

 

 

Os efeitos dos acontecimentos que se seguiram às revoltas populares da Primavera Árabe, quando o ditador Hosni Mubarak foi derrubado do poder do Egito e Muhammad Morsi, representante da Irmandade Muçulmana foi eleito ao cargo de presidente, são sentidos até hoje. Depoimentos de cristãos locais revelam a tensão pela qual passou a Igreja no contexto das revoluções e depois, já que Morsi é o primeiro líder do país declaradamente muçulmano e civil (Saiba mais em Na linha de frente apesar da incerteza).

Já no início de seu mandato, Muhammad Morsi declarou sua intenção de indicar um cristão para o cargo de vice-presidente, numa clara tentativa de se mostrar aberto e tolerante às escolhas religiosas da população. No último dia 12 de agosto, porém, Mahmud Mekki foi nomeado à posição de segundo líder do Egito. Juiz reformista, Mekki ficou conhecido por ter levado a público a fraude eleitoral que aconteceu durante o governo do ex-presidente Mubarak, que comandou o país por 30 anos.

Foi no mesmo domingo (12), que a Portas Abertas noticiou o crescimento de doutrinas anti-semitistas no Egito, o que tem intensificado a perseguição aos cristãos que vivem na região (Leia em Conflito entre Egito e Israel envolve perseguição a cristãos). Como demonstração desse aumento, desde a última semana, diversos veículos de comunicação do Oriente Médio têm denunciado levantes extremistas contra opositores do governo de Morsi.

Segundo fontes da mídia árabe, traduzidas pelo correspondente Raymond Ibrahim, no The Algemeiner e agências de notícias, como a World Net Daily (WND), por exemplo, membros da Irmandade Muçulmana suspostamente “crucificaram os opositores do presidente Morsi nus, em árvores em frente ao palácio presidencial, enquanto outros foram espancados”. Jornalistas locais também foram atacados.

A maioria dos sites que divulgou as agressões informou que os ataques fazem parte de uma campanha da Irmandade Muçulmana para intimidar e, assim, censurar a mídia secular do Egito quanto às ações do grupo. No país, “a brutalidade é reservada para os cristãos, mas as crucificações são por causa da doutrina islâmica e são ensinadas pelo Alcorão”, conforme relatou Clare Lopez, do Centro para Política de Segurança Americana, para a WND.

De acordo com a especialista, “a crucificação é um hadd [punição], estipulada pela Sura 5:33 do Alcorão e, portanto, uma parte obrigatória da Sharia (lei islâmica). Essa tem sido uma punição tradicional dentro do Islã”, esclarece. Segundo notícia de Raymond Ibrahim, na Sura 5:33 lê-se que “a punição daqueles que fazem a guerra contra Alá (…) é apenas isto: eles devem ser assassinados ou crucificados ou as mãos e os pés devem ser cortados .”

Os cristãos, minoria em território egípcio, correm sérios riscos de vida. Em depoimento à WND, Pamela Geller, analista de Questões do Oriente Médio e Islamismo disse: “Os cristãos estão com sérios problemas, porque o Alcorão, na Sura 9:29, ordena que os muçulmanos façam uma guerra contra eles e os subjuguem”.

A Portas Abertas conta com um grupo de correspondentes em todo o mundo e está, desde então, procurando confirmar os fatos reportados pela imprensa árabe. Detalhes sobre as crucificações não foram divulgados, nem o número total de vítimas, embora estima-se que dezenas de pessoas já morreram. Oremos para que Deus proteja e fortaleça a Igreja Perseguida no Egito. Essa é uma oportunidade para testemunhar do amor de Deus àqueles que, nesse momento, estão tão atemorizados pela violência quanto os cristãos.

Aprenda mais sobre o Egito e abençoe o Discipulado de jovens no mundo muçulmano com sua contribuição, para que o evangelho seja disseminado entre os países do Oriente Médio.

Redação: Ana Luíza Vastag

 

Fonte: WND, The Algemeiner e outras agências / Portas Abertas http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/08/1677062/

Adolescente cristã é condenada a dois anos de prisão na Tanzânia

 

 

 

Eva Abdullah foi acusada de profanar o Alcorão. A menina sofre perseguição desde que, há três anos, abandonou o Islã e se converteu ao cristianismo

 

 

 

Há alguns dias, uma garota de 17 anos foi condenada a dois anos de prisão na Tanzânia, após ser acusada de profanar o livro sagrado islâmico, o Alcorão. Em sua cidade natal, Bagamoyo, Eva Abdullah se converteu ao cristianismo e, por causa disso, foi deserdada por seus pais e persuadida por um grupo de radicais a renunciar sua fé.

Por ter se recusado a abandonar o cristianismo, o qual professa há três anos, Eva foi acusada falsamente de ter pecado contra o Alcorão. Muitos líderes cristãos têm medo de defendê-la temerosos de retaliações dos moradores do distrito, de maioria muçulmana.

Em 26 de julho desse ano, Eva foi condenada à reclusão por um juiz que teria sido subornado por militantes islâmicos.

Pedidos de oração

  • Louve ao Senhor pelo testemunho de Eva e peça a Deus para que sua fé seja fortalecida, independente das circunstâncias.
  • Peça ao Senhor para que Eva tenha a oportunidade de compartilhar sua fé na prisão e usar seu testemunho para fortalecer a fé de todos os cristãos que vivem na Tanzânia.

 

Tradução: Ana Luíza Vastag

Presidente cristão da Nigéria desconsidera ameaças de radicais islâmicos

 

 

 

Líder extremista do Boko Haram publica vídeo na internet em que intima Goodluck Jonathan a renunciar ao cargo e se converter ao islamismo. Em declaração oficial, o presidente rejeita o apelo afirmando que não cederá a tal chantagem

 

 

O atual presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, é cristão e, por esse motivo, tem sofrido ameaças de autoridades muçulmanas no país. Em uma declaração oficial divulgada no último domingo (5), Jonathan considerou como chantagem a intimação que, supostamente, recebeu do líder do grupo extremista Boko Haram, na qual o presidente deveria renunciar ao cargo e se converter ao islamismo.

Segundo o jornalista Aminu Abubakar, da agência de notícias AFP, Abubakar Shekau utilizou-se de um vídeo postado na internet para se referir ao presidente. O repórter também afirmou que, no mesmo dia, o porta-voz de Jonathan, Reuben Abati, negou ao apelo.

“Em 2011, os nigerianos votaram e elegeram Goodluck Jonathan para presidente cientes de que ele é cristão”, afirmou Abati durante uma coletiva de imprensa. “Como autoridade máxima no país, Jonathan é líder de ambos fiéis: cristãos e muçulmanos; por isso mesmo, o pedido à conversão ao islamismo equivale puramente a chantagem”, acrescentou.

Abati disse ainda que “o presidente não deveria ser intimidado por nenhum indivíduo ou grupo. Ele nunca irá renunciar ao cargo; não há possibilidade alguma de Goodluck Jonathan ceder a essa chantagem”.

No vídeo, que foi publicado no sábado anterior (4), Shekau declarou: “Você deveria deixar o poder, se arrepender e abandonar o cristianismo”, mostrando claramente sua intolerância à religião cristã praticada por Jonathan.

Segundo a reportagem de Abati, indícios não revelam exatamente a data de gravação e postagem do vídeo no Youtube, que tem 38 minutos de duração. Declarações apresentam ainda que “embora a autoria da filmagem não possa ser verificada de forma independente, o trabalho é semelhante aos vídeos anteriores de Shekau”.

Os radicais do Boko Haram já realizaram dezenas de ataques na Nigéria, que provocaram centenas de mortes como resultado de uma insurgência cada vez mais extremista e violenta.

Informações da AFP destacam ainda que “membros do Boko Haram receberam treinamento da Al-Qaeda em Magreb, no norte de Mali e que países ocidentais têm observado de perto sinais de uma maior cooperação entre os revolucionários”.

Ataques recentes

O último ataque contra cristãos nigerianos aconteceu na segunda-feira (6), quando um grupo de pistoleiros, supostamente do Boko Haram, invadiu a igreja evangélica ‘Deeper Life Bible Church’, em Kogi, região central do país. Radicais entraram no momento em que estava sendo realizado um culto de adoração a Deus e, ao dispararem com fuzis Kalashnikov, mataram, pelo menos, 19 pessoas.

O grupo extremista, que desde o começo do ano vem atacando igrejas ao norte da Nigéria, dessa vez direcionou o alvo para os cristãos que moram ao sul do país.

Boko Haram, na língua Hausa, falada no norte da Nigéria, significa “educação não muçulmana é pecado”. O grupo é formado por um grande número de facções com objetivos diferentes. Seu líder, Shekau, luta para impor a lei islâmica (sharia) em todo o país.

 

Fonte: Assist News / http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/08/1662629/

Tradução: Ana Luíza Vastag

Jovens cristãos são presos e ridicularizados na Eritreia

Por causa de sua fé em Cristo Jesus, 17 jovens foram presos e impedidos de receber comida e medicamentos. A Eritreia é um país da África, que faz fronteira com o Sudão em que, por força de lei, todas as igrejas evangélicas estão fechadas desde 2002

No último domingo (5), a Polícia Secreta da Eritreia prendeu um grupo de 17 cristãos na cidade de Keren, local de dominação muçulmana. Todos estavam reunidos na casa de um dos jovens que foi levado; a prisão aconteceu, aproximadamente, às 19h30.

As sete mulheres e dez homens foram forçados a caminhar até a delegacia. Todo o percurso, percorrido a pé, durou cerca de 45 minutos e foi feito pelas vias que levavam ao centro da cidade. O clima estava quente e abafado e grande parte da população estava às ruas. Assim, muitas pessoas presenciaram a peregrinação. Testemunhas afirmaram que os jovens, em sua maioria com idade para o alistamento militar, eram ridicularizados, enquanto seguiam adiante.

Em Eritreia, as famílias são responsáveis pela alimentação dos prisioneiros. Porém, os cristãos foram proibidos de receberem visitas de familiares ou amigos, o que indica que eles não receberam comida e remédios por, pelo menos, três dias.

Os irmãos desse país têm pedido o apoio e as orações da comunidade cristã em favor desses jovens que padecem sofrimentos e perseguição por amor a Cristo.

Situação Atual

A Portas Abertas foi informada que os 17 presos foram transferidos para um campo de treinamento militar em Aderset, na região oeste da cidade. Esse local é conhecido por suas condições de prisão bastante severas. Prisioneiros lá são mantidos em calabouços e obrigados a realizar trabalhos forçados. A localização afastada do campo também torna extremamente difícil para que amigos e familiares os visitem a fim de fornecer comida extra ou remédios. Há indícios, ainda, que uma das mulheres do grupo esteja doente, porém seu diagnóstico permanece incerto.

Pedidos de oração:

1. Ore para que o Senhor continue fortalecendo a fé desses jovens cristãos, para que eles possam superar essas dificuldades impostas àqueles que praticam o evangelho.

2. Ore para que Deus use o testemunho desses irmãos para falar à vida daqueles que os perseguem e os faça entender a importância da salvação por meio de nosso Senhor Jesus.

3. Ore para que o Senhor Deus revele sua misericórdia por esses cristãos que estão presos e para que Sua providência chegue até aquela cristã que está enferma. Ele é o remédio mais eficaz.

Fonte: Portas Abertas / http://www.portasabertas.org.br/noticias/2012/08/1658844/

Tradução: Ana Luíza Vastag

Aviso!

Olá pessoal! Eu estou indo passar uns dias na linda cidade do Rio de Janeiro e provavelmente eu não terei como adicionar posts com a mesma regularidade como sempre faço. Mais fiquem tranquilos a partir do dia 25/07 tudo volta ao normal…

Abraço!

 

Frank Ferreira